Consórcios do setor automotivo crescem 12,4% no país

Mercado automotivo segue com boas expectativas em 2013
22 de fevereiro de 2017
Redução de IP deve manter mercado automotivo aquecido
22 de fevereiro de 2017
Show all

Consórcios do setor automotivo crescem 12,4% no país

Aqui no blog da Pellizzaro Plásticos, os movimentos e novidades do setor automotivo também são de nosso interesse, afinal, eles têm tudo a ver com o seu mercado.

Muito bem. A notícia de hoje tem a ver com o sistema de consócios, no qual o segmento de automóveis detém umaparticipação de 85,7%, a maior entre todos os demais.

Como se não bastasse isso, foi verificado ainda um aumento 12,4% (ante 2011) no número de consorciados de veículos automotores, que encerrou 2012 na marca de 4,44 milhões.

Segundo Paulo Roberto Rossi, Presidente Executivo da Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (responsável pelas informações), os consórcios já representam 12,5% do total de veículos leves vendidos no Brasil e quase metade das vendas das motocicletas. O volume total dos negócios totalizou no ano passado R$ 59,8 bilhões, o que representa um aumento de 14,6%.

Com relação apenas às novas cotas vendidas em 2012, houve um acréscimo de 4,1% sobre o ano anterior, chegando a 2,28 milhões de unidades. O total de contemplações aos consorciados acompanhou a expansão, comalta de 15,4%.

Vendo separadamente a participação das pessoas nos consórcios automotivos por tipos de veículos, observou-se:

  • Veículos leves: Número de adeptos saltou para 22,2% (1,87 milhão) em 2012;
  • Veículos Pesados: Número de adeptos saltou para 9,6% (200 mil) em 2012;
  • Motocicletas: Número de adeptos saltou para 6,3% (2,38 milhões) em 2012.

Frente a 2013, a Abac acredita em um aumento entre 5% e 7% da participação dos consórcios nas vendas de veículos automotores. De acordo com Paulo Roberto Rossi:

“O reaquecimento da economia e da indústria e o aumento do nível de emprego, que proporcionará ao consumidor assumir compromissos de médio e longo prazo, impactarão fortemente. As classes C e D terão mais poder aquisitivo e também estarão mais participativas”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *